19.9 C
Itapiranga
sexta-feira, maio 24, 2024
spot_img

Estrutura da antiga Escola São Vicente é restaurada

Aconteceu no dia 15 de dezembro, no prédio da antiga Escola São Vicente de Itapiranga, cerimonial com apresentação das reformas realizadas na edificação histórica.

Conforme o Supervisor da Coordenadoria Regional de Educação de Itapiranga, Vilson Von Borstel, o evento reuniu lideranças e vizinhos do prédio. “As obras contemplaram reformas na parte elétrica, hidráulica, estrutural e pintura. Foram mais de três meses de manutenção, em contrato firmado com a Secretaria de Estado da Educação, gerando um investimento próximo a R$900 mil reais”, enfatiza.

De acordo com Von Borstel, a estrutura do prédio é muito antiga e há muitos anos não recebia melhorias. “Estou muito feliz com a conquista. Fecho um ciclo importante de minha vida entregando esta melhoria para a comunidade itapiranguense”, finaliza.

Sobre o prédio

Para falar do prédio é necessário falar sobre as Irmãs da Divina Providência, cuja instalação da comunidade ocorreu após pedido do Volksverein (Sociedade União Popular) junto à Superiora Provincial Madre Benvenuta, que destinou três irmãs para fundarem a primeira comunidade em Itapiranga.

A instalação efetivamente das Irmãs da Divina Providência ocorreu em 14 de janeiro de 1938, quando chegaram a Porto Novo “debaixo de chuva torrencial e foguetes” as Irmãs Tabitha, Helmtruda e Belmira.

 Nas crônicas das Irmãs da Divina Providência, descrevendo as impressões que as primeiras irmãs encontraram aqui em 1938, a cultura do povo de Porto Novo é descrita como bastante elevada, destacando-se de outros municípios do Oeste, dando desde o início grande valor ao ensino das crianças. A situação econômica, porém, é caracterizada como precária.

Na perspectiva educacional, Irmã Tabitha iniciou as atividades docentes em 17 de janeiro, com um grupo de 30 meninas. Em setembro de 1938, os meninos também foram integrados ao grupo de alunos das Irmãs. Antes da chegada das Irmãs, 70 alunos (1ª a 4ª série) frequentavam as aulas na Escola Paroquial, ministradas pelo professor Ervino Eugênio Jaeger.

A chegada das Irmãs foi no início do Estado Novo de Vargas, no “fervor” das leis de ensino de 1938. Logo, a “Escola das Irmãs” tornou-se então “Escola Estadual” e, em 1947, a instituição foi elevada à categoria de Grupo Escolar, passando a ser denominada Grupo Escolar Frei Rogério.

Com o incêndio, as Irmãs professoras passaram a morar também no hospital, enquanto a comunidade se mobilizava para iniciar, em fins de 1951, a construção do novo prédio, inaugurado em 1 de dezembro de 1957, após 6 anos de obras.

 Em 1972 o Grupo Escolar Frei Rogério foi transformado em Escola Básica São Vicente. As Irmãs da Divina Providência ficaram à frente do educandário até 1979, quando a direção foi assumida por leigos, tendo como primeiro diretor, Sílvio Michels (em memória).

Em 1987 o prédio do Colégio foi vendido para o Estado, após 50 anos de atuação das Irmãs da Divina Providência. Em depoimento para o livro sobre os 80 anos da Escola São Vicente, em 2018, Irmã Elise Sehnem destacou que “foram 50 anos de missão educativa com dedicação, acreditando ser uma causa nobre. Partimos felizes com a consciência de Nossa missão cumprida na Educação sistemática”.

A Escola São Vicente funcionou no prédio até 2013, quando o educandário migrou para a nova edificação. Para o prédio antigo foram alocados todos os órgãos do Estado, entre eles, a extinta Secretaria de Desenvolvimento Regional.

Imagem das irmãs pioneiras em Porto Novo. Da esquerda para a direita Irmãs Tabitha, Helmtruda e Belmira
Incêndio da casa escola das irmãs. Fonte livro Imagens Memoráveis – Wolfgang Stahl
Imagem da casa das irmãs onde também funcionava a escola, que na madrugada de 22 de junho de 1951, foi consumida pelo fogo.
Obras do novo prédio. Fonte livro Imagens Memoráveis – Wolfgang Stahl
Artigo anterior
Próximo artigo

Artigos relacionados

Fique conectado

5,374FãsCurtir
278SeguidoresSeguir
0SeguidoresSeguir
- Patrocinador -spot_img

Leia também