Em tempos de pandemia muitos processos precisam ser reinventados e não está sendo diferente no trabalho social da Cooper A1, a exemplo do programa Mulher A1/Sicoob. Os encontros que antes eram presenciais agora estão sendo realizados por videoconferência. Durante estes primeiros meses do ano, a equipe do programa já realizou reuniões virtuais com as 61 líderes, com as três conselheiras, e agora em andamento com integrantes dos Núcleos Femininos Cooperativistas.

A coordenadora do programa, Luisa Jaehn Kollmann, diz que apesar das dificuldades é importante e necessário manter o convívio com as mulheres. “O contato pessoal e olho e no olho é fundamental, mas é claro que os encontros virtuais estão auxiliando no andamento dos trabalhos, planejamento e para continuarmos sendo um elo de proximidade com as famílias cooperadas”, explica.

A coordenadora lembra que todas as participantes estão relatando sobre os laços afetivos que se formam e que fazem tanta falta neste momento. O Mulher A1/Sicoob, completou 20 anos ano passado, e ele é divisor de águas na vida de centenas de mulheres e famílias e, ainda confere um sentido de coletividade ao quadro social. Ao todo, são abrangidas em torno em 2 mil mulheres com o trabalho, se caracterizando como o maior programa social cooperativista voltado ao público feminino do Sul do Brasil.

Programas sociais com cooperados – O relacionamento de uma cooperativa com seu quadro social, vai muito além das questões comerciais, os programas sociais fortalecem os vínculos e cumprem com premissas básicas dos princípios do cooperativismo. Na Cooper A1, além dos Mulher A1/Sicoob há os programas De Olho na Qualidade e QT Rural; Liderança A1; Mulheres Cooperativistas e JovemCoop.