Mesmo em um ano com incertezas e diversos entraves, o agronegócio brasileiro segue otimista e contratando mais crédito rural para crescer sua produção. É o que indica um levantamento realizado pelo Sicoob, que tem fortes laços com o agro e ampliou em 34% suas liberações de crédito para os produtores rurais.
Segundo o Sicoob, que tem mais de 5 milhões de cooperados – 9% deles produtores rurais -, os desembolsos chegaram a R$ 11 bilhões na Safra 2020/21 até o mês de fevereiro, um crescimento bruto de R$ 2,78 bilhões com relação ao mesmo período do ano-safra anterior.
De acordo com o diretor Comercial e de Canais do Sicoob, Francisco Reposse Junior, a expectativa é de atingir os R$ 17 bilhões ao fim da temporada. A maior surpresa são as liberações voltadas a investimentos, que somam R$ 3,8 bilhões, um avanço de 80% com relação à safra 2019/20.
Reposse avalia que o aumento de crédito para investimentos se deve a três fatores: demanda reprimida, falta de recurso nas safras anteriores e baixa no Certificado de Depósito Interbancário (CDI). “Todos querem aproveitar para fazer investimento atrelado a uma taxa pré-fixada, em baixa historicamente”, afirma o executivo.
Para o gerente de Agronegócios do Sicoob, Raphael Santana, este ano houve crescimento no âmbito do pequeno produtor (27%) quando comparado com o mesmo período da safra anterior. “Tivemos uma intensificação no direcionamento de crédito para produção de aves e suínos, em sistema de integração, mas não deixamos de atender as atividades que tradicionalmente são apoiadas pelo Sicoob, como café, cana-de-açúcar, pecuária de leite e corte”, acrescenta.