Comitê de Crise de Iporã do Oeste se pronunciou em ‘live’ na rede social na manhã de sábado, dia 28, e deu uma posição de como está a situação do controle da pandemia de coronavírus no município. O secretário de Saúde, Mauro Barella, foi o primeiro a se pronunciar. Ele tranquilizou a população local ao afirmar de que os casos suspeitos verificados até o momento todos foram negativados. O comitê também  fez alertas. A médica do município Denise Werlang se mostrou preocupada com relação a algumas colocações, críticas, que tem sido feitas em redes sociais. “Cientificamente podemos dizer que é uma pandemia mundial, e que nos preocupa, sim! (…) Nós precisamos que vocês se protejam. (…) Não aguentamos receber críticas de que estamos barrando a economia do município. Não! Nós só queremos barrar o vírus, mais nada! Se a população colaborar poderemos manter o máximo de pessoas protegida”, ressaltou. Denise fez um apelo aos idosos: “Idosos! Ontem fui ao mercado e vi idosos fazendo compras. Não é pra sair de casa, em local algum. Eles precisam estar em isolamento, afirmou.

A médica também fez um alerta às pessoas que tem hepatite: “São consideradas pessoas imunodepressivas.  Elas não podem voltar ao trabalho. Gestantes também não podem voltar ao trabalho. Idosos, nem se fala! (…) Este é um momento de não pensar em dinheiro. Você precisa ficar em casa”. Diz mais: “É preciso dizer não à visita, principalmente de crianças, pois elas se contaminam e não tem sintomas – a maioria delas. (…) Os idosos não podem ter contato com ninguém, com ninguém”, resume de forma enfática.

Denize faz outro alerta importante e que talvez muitas famílias ignorem no momento: “Não compartilhem toalhas, não compartilhem o chimarrão. (…) Eles (os idosos) vão ser contaminados da mesma forma”.

Os municípios não tem kits de análise suficientes para atender a população. E também fala de médicos especializados para atender a população: “Não adianta alguém doar 50 respiradores para Iporã do Oeste, não temos profissional! Vamos buscar onde? Não tem!”. Outra preocupação que a médica demonstra é com a infecção dos próprios médicos.

Resume: “Temos que estar preocupados com a economia. Mas, o problema não é só econômico. É na saúde também. Temos que achar um equilíbrio. Precisamos nos proteger no comércio também! Responsabilidade. É a palavra do momento. Cada um precisa proteger os seus velhos!