Esporte Clube Avante chegou em sua terceira final seguida no futebol itapiranguense da 1ª Divisão. Tudo indicava que a equipe precisaria simplesmente segurar o placar de 0 a 0, ou uma vitória simples garantiria o título inédito para o clube. Estava com o time completo e tinha o apoio da torcida da casa. Do outro lado um time que certamente não guardou boas lembranças da primeira partida, quando perdeu de 2 a 1 em casa, desperdiçou um pênalti e ainda – possivelmente – teve outro não marcado. São Ludgero foi à comunidade vizinha e lá queria levantar o troféu, na casa do adversário.

No primeiro tempo de partida poucos foram os lances emocionantes. Talvez os dois melhores momentos aconteceram de bola parada e que deram certo trabalho aos goleiros Dela e Edenilson. O jogo não teve momentos de nervosismo e foi muito bem administrado pelo árbitro do jogo.

Na segunda etapa a pressão aumentou para ambos os lados. Mesmo assim poucos lances de gol foram desferidos. O São Ludgero abriu o placar aos 26 minutos da etapa complementar quando Jair Rempel marcou seu único – mas decisivo – gol na competição. Mesmo assim, o São Ludgero precisava de um segundo gol, pois assim como estava, o campeão seria decidido nas cobranças de penalidades máximas. Aí, teriam que encarar um dos melhores goleiros da região, Delacir Schneiders. Aliás, o goleirão do Avante defendeu o Dourado no ano anterior e foi um dos protagonistas do título daquela final ao defender duas penalidades no confronto decisivo com o Avante, competição esta que também foi decidida na cobrança de pênaltis. Neste ano de 2018 não foi diferente. O equilíbrio de ambas as equipes era visível e, após transcorrido o tempo normal, novamente o campeão sairia na cobrança dos tiros livres.

Nas penalidades aconteceu o que muitos esperavam. Duas defesas de Dela e o Avante pode comemorar merecidamente o título da 1ª Divisão.

Nesta final um bom público se fez presente com cerca de mil espectadores.