Guido Lenz, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

A empresa americada Uber foi pioneira em oferecer a chance a qualquer pessoa com carro a se tornar um taxista através de um aplicativo de celular. Com isto derrubou barreiras e democratizou em muito o acesso ao transporte individual e também ofereceu oportunidades de trabalho a milhares de pessoas. Por outro lado, o Uber desregulamentou o serviço de transporte privado. Taxistas precisam de uma carteira especial, o taxi passa por toda uma regulamentação que a Uber simplesmente não seguiu. Apesar de alguns problemas, não se pode afirmar que isto levou a uma diminuição na qualidade do serviço, em muitos aspectos até o serviço prestado melhorou.

O exemplo do Uber levou a uma grande corrida para o lançamento de plataformas para outras atividades profissionais que são muito regulamentadas e que poderiam se beneficiar de uma plataforma parecida com a do Uber. Entre estas atividades estão duas que merecem ser citadas. Uma cadastra médicos para fazer visitas aos pacientes nas suas casas quando necessário ou com uma certa regularidade, com isto ativamente acompanhando a saúde do usuário e facilitando enormemente a relação médico paciente. O outro serviço muito interessante, este já disponível no mundo todo, visa para levar a terapia para muito mais pessoas. O projeto 7Cups, que quer dizer sete xícaras, pois teoricamente só depois de 7 xícaras de chá que se pode confiar numa pessoa, cadastra pessoas que estejam dispostas a escutar os problemas de outra pessoa. Este projeto já conta com 20 milhões de consultas (ou conversas) feitas na sua plataforma. Se isto vai substituir o psicoterapeuta não sei, mas pode ser um caminho para as pessoas quererem resolver os seus problemas em vez em empurrá-los para debaixo do tapete.

Iremos ver nos próximos anos uma alteração nos modelos tradicionais de organização do trabalho talvez só parecido com o que aconteceu na revolução industrial. Alguns ainda permanecerão no formato tradicional, mas quem souber surfar a onda das novas plataformas terá trabalho (não emprego formal) garantido por muito tempo.